Hulk in Rio

O Incrível HulkAssisti O Incrível Hulk ontem, e de cara tenho que registrar que pelo menos o público daqui parece muito reticente em relação ao filme. Possivelmente porque todo mundo acha que vai ser do mesmo nível da primeira e (…) equivocada versão dirigida por Ang Lee em 2003. Mas podem ficar tranqüilos que não é.

O diretor deste é o francês Louis Leterrier (que assinou entre outros Cão de Briga do Jet Li e a série Carga Explosiva com Jason Statham). Ele e principalmente o protagonista e excelente ator Edward Norton resolveram bancar a investida e referenciar esta nova versão 50% nas HQ’s e 50% na antiga série de televisão, com Bill Bixby e Lou Ferrigno. Foi uma bela aposta estratégica. Primeiro porque nada melhor pra que conseguissem fazer um filme diferente do primeiro (que pra falar a verdade, não foi baseado em nem um nem outro); e depois porque a imagem que a maioria do público guarda na memória em relação à carismática série é muito forte.

Hulk

Edward Norton é Bruce BannerE nisso, os dois (que andaram até mesmo se indispondo com a Marvel por conta das intervenções que novo estúdio quis fazer no filme) e o grupo de roteiristas foram simplesmente geniais: a todo o tempo se vê o esforço em amarrar todas as pontas soltas deixadas pelo primeiro filme (que se levando em consideração o ponto de vista deste aqui, não existiu) e principalmente nas diferenças que a série de televisão tinha em relação aos quadrinhos originais (pra citar só um exemplo que não é spam, no seriado o nome do Dr. Banner era David, enquanto nos quadrinhos originalmente é Bruce). E por aí vai. O filme está cheinho de referências da série e é um barato ficar tentando encontrá-las ao longo da projeção. Depois entro em detalhes, pois há quem considere esses easter eggs um spam leve. Ainda assim, detalhes típicos das HQ’s foram resgatados no personagem, e a comunhão entre todas as características da série e dos quadrinhos tem uma harmonia perfeita, irretocável.

Acertaram também em desencavar um inimigo dos quadrinhos – o Abominável – e dar-lhe uma origem que inclusive já faz referência a um próximo e aguardado filme da Marvel, que mais tarde digo nos comments pra não cortar o barato de ninguém. O problema do Hulk era mesmo se arranjar um inimigo decente pra ele, porque no final das contas o Hulk em si é o problema. O Hulk dá dor de cabeça para todos os heróis da Marvel que não sabem o que fazer com ele, e seu principal inimigo é sem dúvida o General Ross, ou seja, o exército americano. Seria um dilema danado pra qualquer diretor colocar o verdão exterminando o exército e esperar empatia do público com isso. Com o Abominável, o exército ainda está lá, seus objetivos ainda são torpes, porém no momento que a coisa pega mesmo ele sai só como a eminência parda da história. Bela sacada.

O filme é muito bom. Uns bons 20% dele se passam num Rio de Janeiro retratado dignamente, o que pra mim foi um atrativo a mais. E com O Incrível Hulk a Marvel coloca mais um tijolo na construção que está fazendo para o vindouro filme dos Vingadores (cuja espera pra mim já está tomando ares de agonia), mas também não vou estragar surpresas contando o porquê. A boa notícia para Ana Paula é que desta vez não tem cena pós-créditos e ela vai poder ir ao banheiro tranqüila.

Maiores detalhes depois que todo mundo vir o filme, lá nos comments.

9 thoughts on “Hulk in Rio

  1. E pra manter a tradição, aí vão as aberturas do desenho desanimadão e da série de TV. Legal pacas!

    Desenho:

    Série de TV:

  2. Esses dias consegui ver o nº 1 até o fim. O tom psicológico é razoável, mas os efeitos exagerados não colam.

  3. SPOILER

    Capitão América – eu achei!
    Ou acho que achei :)
    Me arrisco a dizer que encontrei o easter egg do Capitão América no filme do Hulk. Antes de mais nada tenho que dizer que, se confirmado, Louis Leterrier foi muito mais sutil até que o Jon Favreau, mas valeu a caçada.

    A cena é a mesma da participação do Robert Downey Jr. Enquanto o General Ross toma as suas biritas, alguém entra pela porta e surge a imagem pelo reflexo do espelho do bar: o barman levanta o braço para guardar a garrafa e eis que pelo reflexo surge a imagem clássica do Capitão, o braço erguido com a estrela no peito (graças à estampa da camisa do barman) – e Downey Jr. no segundo plano do mesmo reflexo.

    É muito, mas muito sutil mesmo.

    Fui pra casa imaginando se não estava delirando, mas em meio aos devaneios a coisa toda fez sentido: Leterrier pode até mesmo ter tido a idéia de colocar a imagem depois de trocar uma idéia com Downey Jr e Favreau e se inspirado a fazer coisa parecida ao escudo no filme do ferroso.
    Tomara que eu não esteja delirando, UAHUhauhAUHuahuHAU

    Avante Vingadores!

  4. Oi GAburah! Só hoje pude passar por aqui e vi seu comentário sobre o final do filme não ter pós-créditos! Obrigada pelo aviso e por favor, continue avisando, pois assim posso ir mais tranquila ao cinema programando a hora do “pipi”! aueuhaeuheauhaeuh

  5. Pingback: O Primeiro Vingador – para @marifiorentino at gaburah.com

Comments are closed.